CEDIND - Conselho Estadual dos Direitos Indígenas
Solenidade de Posse dos novos Conselheiros

Solenidade de posse do Conselho Estadual dos Direitos Indígenas - CEDIND , realizado no dia 17/05/2018, Plenário José Ribeiro de Castro Filho, sito à  Avenida Marechal Floriano, 210 – 6º andar , na sede da CAARJ. Programação: 12h00 às 12h40 – Credenciamento das Associações, Movimento e organizações da Sociedade Civil, cujo inscrição foi aprovada pela Comissão Eleitoral para participar da Assembleia de Eleição; 13h00 às 14h00 – Assembleia de Eleição - 14h00 - Início da Cerimônia de Posse dos Membros do CEDIND.

Ontem a mãe terra em segredo me contou que o poder das mulheres sempre foi majoritário. Os homens quando em circulo só entre eles conversavam... tinha uma hora que eles corriam para falar com a mulher... que dizia sim ou não o que fazer. Depois eles vontavam para discutir e definiam com bases de articulação entre eles. As mulheres é... Sim, na aldeia quem governa são as mulheres em silêncio em suas redes com os maridos a voz que aparece silenciosa e as delas Pela boca dele E eu vi só que a compreensão ali e difícil. E pensar da imposição Não se ouve o grande Espírito.

A representante da Secretaria de Estado e Políticas para as Mulheres, Dra. Monaliza, representando a “Comissão Eleitoral”, encaminhou duas propostas ao plenário para a concordância do pleno: a primeira: “Que a sociedade civil representado por instituições no contexto urbano e as aldeados, escolhessem um presidente para presidir o CEDIND, no primeiro momento e depois a posse em conjunto com os demais membros. Com os questionamentos do plenário, a Representante Governamental informou a todos os presentes que o segmento governamental ficaria para um segundo momento, já que algumas secretarias não estiveram presentes e muitas ainda não tinham escolhidos os representantes para compor o conselho que são 12 membros governamentais e 12 membros de comunidades indígenas, além de instituições que embora sem direito a voto tem direito a palavra e apoio técnico. Com a concordância do pleno, a bancada indígena se reuniu abrindo palavra para todos os representantes. Após longo debate, foram escolhidos 02 presidentes: um Guarani Nino Karai Araponga – Patrimonio Partaty e outro representante Tukano da Aldeia Maracanã.

Segundo Dra. Cristiane Santos em sua coluna no Facebook narrou o evento de forma magistral. "Ontem foi implementado o Conselho Indígena do Estado do Rio de Janeiro. Com falas importantes de Eliane Potiguara,onde ressaltou a importância do presidente e conselheiros saberem que o celular precisa ficar ligado, ter disponibilidade financeira para as idas e vindas a reuniões saber dialogar com todos sem descriminação de etnias, autodeclarados, as auto afirmações resurgencias étnicas, onde deixa bem claro a bom entendedor que os cargos não são remunerados.

As sete aldeias entre elas guarani e Pataxo suas lideranças se manifestaram com falas sobre o esquecimento dos indígenas urbanos perante a eles e as lutas que já fazem com muita garra em busca dos direitos indígenas de saúde, educação e territórios e a participação de um de lá concorrendo ao cargo de presidência. Por sugestão foi indicado para presidência dois presidentes (abrindo uma nova questão a conselhos já existentes e como será feito isso ?).

Nino Wera'i , vice cacique da aldeia de Araponga- Paraty, que já vem com a bagagem de políticas públicas voltada a indígenas e participante de várias ações junto ao governo, fóruns, rodas de conversa e a militância nata e presente com sua família e o inseparável filho que já vem aprendendo os passos do pai e do avô cacique Agostinho, esteve recentemente no Atl( Acampamento Terra Livre), dialoga sem descriminação a indígenas em contexto urbano e os autodeclarados e as etnias de auto afirmação. Cacique Carlos Tukano e o segundo ou primeiro presidente do Conselho algo ainda a ser formalizado entre os conselheiros , o vice presidente por falta de korum não houve a eleição.  A todo momento a forma indígena de se resolver as questões e formulações foi respeitada". Meus  parabéns  a Cacique Nino e a todos os presentes.

Cristiane Santos 
Secretaria e Conselheira do Coneplir Conselho Estadual de Defesa e Promoção da Liberdade religiosa.

Ficou também aprovado que a nova Mesa Diretora ira convocar uma reunião do pleno para discutir políticas públicas e a elaboração do RI - Regimento Interno do CEDIND. O Coelheiro Reinaldo Potiguara representante da AULA- Associação Universitária Latino Americana, falou concordando com a Eliane Potiguara, quando ela pediu para que olhássemos com cuidado o atual momento, tendo em vistas o interesse da comunidade Guarani, ter externado o interesse de presidir o CEDIND. “O presidente do CEDIND tem que contar com uma infraestrutura mínima para funcionar, já que a função de presidente toma muito tempo e que tem muitos gastos financeiros. É uma situação que demanda muito trabalho e gastos financeiros” finalizou.

O conselheiro Reinaldo potiguara, concordou com a conselheira e disse que temas importantes como a Educação Indígenas, e/ou temas como a Demarcação de Terras indígenas (assuntos fundiários); A criação de uma Universidade Indígena; Da criação de um Centro de Convivência Indígena para abrigamento no contexto urbano; e Restauro do Antigo Museu do Índio sejam pauta e estudo na formação de Comissões Temáticas que iram ser criadas; E que os membros dessas comissões temáticas, auxiliem a Mesa Diretora. Reinaldo, finalizou lembrando a transição que se faz com as eleições em outubro para o Governo do Estado do Rio de Janeiro. “Estamos em transição do governo Pezão e que é importante que os "presidentes" no contexto urbano e aldeados, se dediquem ao oficio de estruturar o CEDIND”.

Outro ponto levantado é que as Assembleias Ordinárias e Extraordinárias sejam descentralizadas, já que foi objeto de desconfiança das lideranças indígenas aldeadas. A solenidade contou também com a presença de várias instituições, como universidades e segmentos sociais. Síntese: Não foi possível nesse primeiro momento dado as dificuldades de locomoção e infraestrutura, da realização de uma Assembleia Extraordinária para propor ações concretas, já que se espera a nomeação dos novos conselheiros eleitos em “Diário Oficial” sejam da sociedade civil e governo. Reinaldo Potiguara finalizou o debate dizendo: Precisamos sair da condição de “Conselho Consultivo, para Conselho Deliberativo”, e que essa deve ser a primeira ação a ser articulada pelos conselheiros, Governo e a ALERJ, transformando em Deliberativo”.

"A sugestão para “quebrar as regras” veio de Eliane Potiguara, índia urbana, escritora e professora, que vive na cidade do Rio de Janeiro, durante as improvisadas eleições de ontem, previstas para durar dez minutos. Acabaram, porém, consumindo mais de meia hora, com direito ao canto sagrado de apoio feito pelo índio pataxó Arassari, de Porto Seguro, “de agradecimento, para trazer energias para um bom trabalho e proteger a espiritualidade de todos os presentes”, explicou, com um sorriso".  Ver link - JB

Finalizando: O presidente Cacique Tukano do Contexto Urbano, falou: "esperamos 518 anos para reparação aos povos tradicionais e que o momento chegou", sendo muito aplaudido.

Toni Lotar: "Ontem os indígenas do Rio de Janeiro comemoraram uma grande conquista: a criação do Conselho Estadual dos Direitos Indígenas que será uma ferramenta muito importante no encaminhamento de políticas públicas para os mais de 30 mil índios aldeados e urbanos que habitam no estado do Rio".

Fotos: Dilmar José

Texto: Reinaldo de Jesus Cunha - Presidente da Associação Universitária Latino Americana
Jornalista: 0036785/RJ

 

Copyright© 2006 / 2018 - AULA - AssOciAçãO UniVeRsiTáriA LaTinO AmeRiCaNa
Visualização Mínima 800x600 melhor visualizado em 1024x768

Web Designer: Leonardo Lopes